pexels-sathesh-d-698808.jpg

ARTIGOS | REPORTS

Encontre o que você precisa saber sobre inovação, mercado de startups, corporate startup engagement e mais.

Buscar
  • Natalie Witte

Stock options não é remuneração, é oportunidade!

Atualizado: Mai 20

Quando começou a onda de startups no Brasil, havia uma busca muito grande por unicórnios. Hoje, os investidores estão muito mais maduros, enxergando oportunidades de probabilidades e tamanhos bem variados (vide artigo sobre estratégias competitivas para startups).

Uma onda que nós vimos surgir tão forte quanto a de investidores é a do investimento via stock options. Pois imaginemos: você quer ser sócio de uma startup? Se quiser, um plano de compra de ações ou quotas - stock options - pode ser o caminho. Pode ser a sua chance de virar empresário, sócio, deixar de ser funcionário. Mas, para isso, é preciso ter cabeça de sócio. Saber que, assim como você pode vir a participar dos lucros, o mesmo pode acontecer em relação aos prejuízos.

O que eu espero que aconteça é que as próprias equipes das startups também amadureçam e se conscientizem da oportunidade que está por trás de ser convidado a investir em uma empresa com potencial de crescimento e que tem uma característica única: a participação direta delas no dia a dia, justamente na construção deste crescimento.

Quando eu vejo um colaborador buscando mais stock options, menos remuneração fixa, me vem à cabeça o modelo de "Smart money", quando o investidor resolve também colaborar diretamente para o crescimento da startup.

No caso do que eu chamo de "Smart employee", temos o mesmo resultado, porém com o ponto de partida invertido: aqui, é o colaborador que resolve investir diretamente na sua empresa e não o investidor que toma a decisão de colaborar.

Stock Options e o Marco Legal

O Marco Legal das Startups foi aprovado no Senado, mas a aguardada regulamentação das stock options ficou de fora. Uma pena, pois perdemos a oportunidade de criar regras mais claras e específicas quanto ao tema.

Definitivamente, stock options não são um modelo de remuneração ou bônus como muitos juízes trabalhistas entendem. São - na verdade, devem sempre ser - uma estratégia de incentivo, uma ferramenta de sociedade para o desenvolvimento de negócios e pessoas, de atração e retenção de pessoas estratégicas.

pexels-photo-5898345.jpeg